O poder das histórias na comunicação com os filhos

“Pense como um sábio, mas comunique-se na linguagem do povo”. (Willian Butter)

A frase acima aplica-se em inúmeros contextos, inclusive na comunicação com os filhos. Para ficar mais claro, substitua “do povo” por “da criança”. A comunicação com os filhos pode ser muito melhor e mais fácil se tivermos a capacidade de adequá-la a quem está escutando, nesse caso, nossos filhos. Muitas vezes, por pura ignorância, não utilizamos bem os recursos que temos; da mesma forma, alguns pais e mães, na maioria das vezes, não sabem utilizar as ferramentas de comunicação que estão debaixo dos próprios narizes…

Por isso, fiz um post especial para publicar no blog Incubadora de Pais, da Altiva Foco em Pessoas, para falar de um recurso preciosíssimo que temos em nossas mãos e, normalmente, não o utilizamos: as histórias infantis.

Atualmente, as crianças possuem uma infinidade de histórias infantis que podem ser acessadas por meio de livros, filmes, jogos digitais, revistas em quadrinhos, teatro, música, entre outros. Como educadores, podemos utilizar essas histórias para nos ajudar na comunicação com nossos filhos.

Conheça um novo mundo

A primeira coisa que precisamos fazer para melhorar a comunicação com a nossa criança é estruturar a mensagem, escolhendo bem as palavras que farão parte da dela. Falar “javanês arcaico” com a criança não adianta. Vamos cair naquele exemplo que dei anteriormente. Um fala e o outro “boia”, literalmente!

Nesse sentido, as histórias infantis podem ajudar a direcionar essa comunicação. Conheça as histórias de que a criança gosta, participe e leia com ela. Assim você se familiariza com o vocabulário latente que ela tem agora. E, na hora de transmitir qualquer informação, analise as palavras que você escolhe e tente usar aquelas que são mais comuns e presentes no vocabulário a que ela está acostumada.

As histórias a seu favor

Além de as histórias possibilitarem que você conheça mais o vocabulário da criança, elas também podem ajudá-lo a falar aquilo que você quer dizer de forma mais fácil. Você quer que a criança não bata no irmãozinho, lembre-o de uma história similar e ressalte para ela as consequências daquela ação.

Uma vez utilizei essa técnica com uma criança que queria importunar um animalzinho. Nada do que eu falava dava certo, mas quando citei um determinado filme, em que um personagem fazia o mesmo com um animal e mostrava o que o animal sentia, ela imediatamente parou e desistiu da ideia. Nossa, que alívio! A história já está introjetada na mente da criança. Utilizando-se da associação que a criança mesmo já construiu e assimilou, é muito mais fácil alcançar o resultado que se deseja e sensibilizá-la.

Além de ajudar a nos comunicarmos com essas pessoas pequenas, as histórias podem ajudá-lo a conectar-se com o mundo do seu filho. A criança precisa da fantasia para aprender e construir sua própria realidade. E, se você começar a fazer parte dela, com certeza o vínculo entre vocês (pai e filho) se fortalecerá. Por isso, reforço o que Willian Butter disse, dando-lhe um novo enfoque voltado para a educação infantil: “pense como um sábio, mas comunique-se na linguagem” da criança!

Gostou? Então escreva para o blog Incubadora de Pais, da Altiva Foco em Pessoas e nos conte o que você achou das dicas. Se você desejar ler mais sobre como melhorar a comunicação com seus filhos, aproveite para ler também outros textos publicados anteriormente como “a importância de uma boa comunicação com as crianças” e “4 cuidados diários para melhorar a comunicação com seus filhos“. Neles você poderá ler dicas de como melhorar a comunicação e a interação com seu filho.

E continue acompanhando o nosso blog. Toda sexta-feira a Altiva Foco em Pessoas publica mais um texto que pode ajudar você seja na sua vida pessoal ou em família. Até semana que vem!